Translate

segunda-feira, 11 de junho de 2012

O farol de Virginia Woof



Podia ver o farol de Virginia,




la de onde ela estava




Está bem no fim do horizonte




onde seus olhos podem alcançar






deixou-se ficar a pensar




Na escuridão da viagem,




erraram por pouco;







chovendo da forma que estava




acabaram perdendo o leme...



Estava habituada a vagar daquela maneira




Uma poeta está habituada com essa coisa




Não havia nada mais 




nada em que bater





Tem um curso



e arrumou uma especie de compasso




e o navio navegou sozinho









O efeito da morte sobre aqueles que continuam vivos é sempre estranho, e muitas vezes terrível, pela destruição de desejos inocentes.

Virginia Woof

,




2 comentários:

sueli aduan disse...

Belíssimas fotos!!! (fotógrafa e poeta de mão cheia) A-DO-REI.

super beijo,

maninha,

Amália Catarina Wichert Grande disse...

Belíssima postagem!