Postagens

Quarta-feira de cinzas - T.S Eliot

Imagem
Quarta-Feira de Cinzas – T.S ELIOT  I  Porque não mais espero retornar
Porque não espero
Porque não espero retornar
A este invejando-lhe o dom e àquele o seu projeto
Não mais me empenho no .empenho de tais coisas
(Por que abriria a velha águia suas asas?)
Por que lamentaria eu, afinal,
O esvaído poder do reino trivial?
Porque não mais espero conhecer
A vacilante glória da hora positiva
Porque não penso mais
Porque sei que nada saberei
Do único poder fugaz e verdadeiro
Porque não posso beber
Lá, onde as árvores florescem e as fontes rumorejam,
Pois lá nada retorna à sua forma Porque sei que o tempo é sempre o tempo
E que o espaço é sempre o espaço apenas
E que o real somente o é dentro de um tempo
E apenas para o espaço que o contém
Alegro-me de serem as coisas o que são
E renuncio à face abençoada
E renuncio à voz
Porque esperar não posso mais
E assim me alegro, por ter de alguma coisa edificar
De que me possa depois rejubilar E rogo a Deus que de nós se compadeça
E rogo a Deus porque esquecer desejo
Estas c…

Ernest Hemingway, ADIN e uma conversa virtual

Imagem
- Oi, Você esta ai? Preciso falar
Boa tarde, eu não quero viver de ilusão

- Boa tarde
Olha minha realidade hoje foi o hospital.Quando entenderes falar sem este tipo de comentários estarei disponível. Para esta conversa de dúvidas constante e pretensa ilusão não estou. Pensa bem no que fala. Se eu fizesse o mesmo questionando tudo, de tudo duvidando como te sentirias?

- Me sentiria muito mal e é assim que eu me sinto. Você tem suas dores e eu a minha. Você foi em um clinico que diagnosticou seu mal e irá te operar. Irá? A minha quem irá invisivelmente operar?

- Eu não sei mais o que dizer? Diz o que queres mais?

- Nada. Ficarei bem

- Ficas mesmo? Tu desapareces durante horas. Reages de forma intempestivas chamas fé de palhaçadas. Já não sei....

- Estive no centro fui assistir uma palestra sobre ADIN

- Quem é ADIN?

- Depois voltei, almocei, e comecei a ler um livro sobre Ernest Hemingway....Lembro que parei na espingarda Ketchum, 1961, a idade de 61 anos...Foi ai que cochilei, coisa de cinco minu…

Lailin pelo mundo

Imagem
Amigos

Tenho pensado aqui com meus botões: preciso justificar com alguns.  Afinal se deixar de fazer isso ficará a impressão que não tenho compromisso com aquilo que falo. Tai uma coisa que me enfeza, pessoas que dizem uma coisa e fazem outra completamente diferente. Esses, não quero nem papo. Aconteceu no final de dezembro. Um belo dia eu disse:  - Lai, você precisa viajar! - Boa ideia - respondi - Eu mereço cruzar as fronteiras
Só precisava de dois países para encher meus olhos de alegria. E como adquiri alguns amigos aqui no face que moram no primeiro país sonhado, comecei a interrogar alguns. E assim comecei a ir ate a sala de estar, embora não soubesse que horas eram por lá por conta do fuso horário, mas como sou impertinente, acredito que os visitava em horas improprias. No almoço, jantar, cagadeira, foda... Eles como pessoas civilizadas respondiam de forma brilhante todos os meus questionamentos. Comprei duas agendas, uma para fazer o roteiro, incluindo telefones de banco e da embai…

MARCEL PROUST - E minha busca do tempo perdido

Imagem
Em busca do tempo perdido
O Narrador me transporta à antiga casa cinza de sua tia Leonie, no vilarejo de Combray, com seus quartos e sala, lindo jardim com todas as flores de verão, os portões por onde se ia até a praça e daí, aos dois caminhos:
um que conduzia a Tansoville, onde estão as flores dos jardins de Swann e o outro para os lados de Guermantes, onde o rio Vivonne, no seu eterno correr, abriga, tal qual nos quadros de Monet, suas lindas ninféias...

Talvez este se torne o meu novo livro de cabeceira onde terei que ler e reler e anotar com caneta aquilo que voltarei sempre a ler em um momento oportuno. Como agora em um pálido dia, transcrevo trechos abaixo: "Vamos! Vamos! Vamos!"
(...) insinuava em mim duas suspeitas terrivelmente dolorosas. A primeira era de que a minha vida tinha já começado (quando todos os dias me considerava como que no limiar da minha vida ainda intacta, e que só começaria no dia seguinte de manhã), mais ainda, que o que se ia seguir não seria mui…

crônicas de duas cidades

Imagem
Tão longe, tão perto...

Ontem encontrei uma senhora em um café na cidade de Braga. Brasileira do Rio de Janeiro. Logo mais estaria pegando o comboio para Famalicão ia visitar a filha. Olhei para seu rosto marcado e depois para seu corpo e perguntei:
“Há quantos anos esta morando neste país”
- Há trinta anos – disse-me ela
Trinta anos... Pensei atônita
Levei um choque ao retornar lentamente no tempo de trinta anos...

Novamente olhei para seu rosto, suas mãos enquanto pegava a xícara de café e com a outra mão procurava um lanche, pão com queijo, na carteira (bolsa) que trazia no braço... Devo dizer que fiquei chocada. Trinta anos de angústia... É claro que não iria perguntar a ela como se sente hoje como se sentiu dia a dia, ano após ano. Claro que não. Pois já sabia o que iria dizer, iria mentir e dizer o quanto foi feliz e hoje vitoriosa... Sentia a verdade em seus olhos escuros e em seu sorriso triste. Do seu coração ainda se podia ouvir gritos de socorro durante aqueles trinta anos…

Hotel fazenda Itapuá

Imagem
Não tive coragem de entrar no salão... na recepção... nos lugares que passei durante o tempo em que ai fiquei.
Não foi preciso
pelo lado de fora revi os relógios antigos e os moveis trazidos do Embu das artes pelo seu pai... ainda trago comigo a fisionomia dele... 
Andreas ...
na sala que parece ser hoje a recepção
Ele
perguntando de onde vinha e o que faria ali...
Lembro da manhã ensolarada e os beija-flores na janela... você com seus longos cabelos encaracolados sorrindo perto dela, sua mãe Cristina, tão linda, nunca cansei de olhar para ela a senhora sua mãe
... teria você na época, quantos anos? Quinze? Dezoito?
Por volta deles... embora minha mente teime em dizer:
Era uma garotinha de oito anos...
Tento lembrar do nome da família de caseiros tão achegados e leais aos patrões, o único nome que me vem a mente é Clarice...
Muitos já se foram... Ficou em minha mente a mulher que chegou pela jardineira da tarde com duas malas e desceu a estrada de terra, a mesma de agora,
quase nada mudou, tudo co…

Carlos Heitor Cony - Lua de São Jorge

Imagem
Cony
Conheci Cony no início da década de 90, quando morava nas montanhas, já tinha o hábito de ler jornal, coisa que hoje abandonei completamente. Naquela época morava na última casa enfiada nas montanhas de M.V. E assim para preencher o tempo, quando cansava de olhar as nuvens descendo e subindo pela janela da sala, comecei a colecionar crônicas de jornal. O primeiro caderno, o cotidiano a ilustrada e o caderno 2, o resto eu jogava fora. Ia uma vez na semana até a Vila, a rua principal e ali comprava ou pedia para os amigos que assinavam que guardassem os jornais e assim fui adquirindo as crônicas de Cony. Na verdade, comecei com Tarso de Castro, mas ai ele morreu... e passei para o Otto Lara Resende, mas ai ele também morreu... recortava-as e colava em um caderno. Tenho esses cadernos até hoje, ruídos pelas traças. Recentemente folheando um, encontrei Lua de S. Jorge, procurei no google, achei no link da Folha de São Paulo que só autoriza o acesso se eu for assinante, como não sou e …