quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Da morte



Fui não porque gosto
Ou porque todo ano vou
Nunca fui, não nesse dia
Já fui para colocar uma foto da minha vida e um texto bíblico nada mais
Meu pai sim ia todo ano
Pintava e colocava flores e orava pela sua amada
Hoje fui especialmente para ver
Para ver os cuidados que a usurpadora tem para com aquilo que um dia ela roubou
A foto da minha mãe que eu coloquei dentro do vidro com tanto carinho
não existe mais e muito menos uma foto do meu pai
Estava tudo vazio, limpo, silencioso... Não havia tristeza
Pelo contrário
Como se quisessem me dizer alguma coisa
Por três vezes andei em círculos e parei no mesmo lugar e entendi
que nessa vida o que a pessoa pode fazer
é procurar ser feliz
e viver o melhor que puder

Marcia Lailin



Nenhum comentário: