quinta-feira, 1 de março de 2012

"Culpada"



Culpada

Quanta coisa tinha a dizer
Não foi possível
simplesmente não foi possível
dizer quem era
Toda vez que abria a boca
para dizer algo sobre si ou sobre a sua família
pediam provas
provas do tipo:
"Trouxe as fotos?"
Quando alguém viaja
leva fotos ou tira fotos?

Ou quando em sua rede social
ao verem uma foto que postou de um homem
com a barba por fazer, perguntavam:
"Quem é?"
Naquele momento foi atacada por um lapso de memória
e não lembrou do nome dele:
"O ator espanhol Javier Barden"

Tinha levado uma bordoada
e agora
Lutava com o problema
ora relembrando uma coisa
ora outra
Um absurdo
Nunca teve que justificar sua vida
Agora era obrigada a justificar
sem sucesso
para uma anta...
Vivia o personagem Kafkaniano
em O Processo
Só faltava morrer como um cão

A verdade era que queria seguir pela estrada
e voltar para casa
Principalmente desejava
Ficar só
Revoltante,
Revoltante e patético
para não dizer trágico
As conversas sussurradas
na calada da noite
enquanto rolava na cama
tentando dormir
Invadia-a uma sensação irreal
Ali no fim do mundo
Sentindo-se uma idiota
tentando inutilmente justificar
aquele momento
em um dialogo que sempre terminava em:
"Culpada!"





Nenhum comentário: