Translate

domingo, 27 de maio de 2012

Fragmentos



Sou feita...

Escrevo para que me escutem

Quem?

um ouvido anônimo

um amigo perdido na distância

um amor esquecido

se morrer agora...

É inútil procurar razões

Sou feita com esses braços

estas mãos e estes olhos

Sou feita de Bizet

Sou feita de Rossini,

Sou feita de Verdi,

Sou feita de Bergman,

Sou cheia de vozes

que so sabe se exprimir através das

folhas brancas do papel

Só sei vislumbrar a realidade

através das informes projeções

deste mundo confuso que me habita

Mlailin




SE

Se me expulsares, aonde queres que eu vá agora?


Teria de dormir sobre a terra

ao ar livre

Deixa-me dormir sobre o tapete, aos teus pés




Mlailin



Agradecendo...

Estava eu agora

no final da minha caminhada

sentindo o vento gelada e agradável da manhã

em meu rosto

Desejei que o sol ficasse parado

em relação a mim

e eu em relação a ele

Não é a lua

mas o sol quem provoca em mim

fenômenos estranhos

Seus campos magnéticos

flutuam em mim...

Agradeci

pelas nove horas de sono bem dormidos

pela vida que renasceu do sono

que poderia ser a morte

Pela vida que canta sob a emoção dominadora

da lembrança dessa garota caminhando

por uma rua de concreto

e ao voltar para casa não resistiu

e mais uma vez agradeceu

porque chega um dia em que

se sente o gosto

de ser mulher

e a vida a veste com um manto de seda vermelho

brilhante de luz

Mlailin




Como um sonho...

Oh, como eu estou longe

longe de todas as coisas

e de todas as pessoas que me cercam

longe de mim também

transformada em uma espécie de ser errante

sem consciência e sem pesar

um olho que passa

que vê

que gosta de ver

longe ainda do meu caminho

do qual nem mais pensava

com a chegada da noite percebi

que ainda estou em meu labirinto

Mlailin



Todo impotente é cruel

Todo impotente tenta transferir sua infelicidade

para o inocente

No seu desprezo eu sentia:


Arruma outro



Mlailin


3 comentários:

mulheres com estilo disse...

Muito sensível e verdadeiro! Adoro seus poemas!
Abcs

Chico Viana disse...

Muito boa a articulação entre texto e imagem. Você demonstra que a beleza (ainda) é o melhor meio de suavizar a solidão. Abraço.

marcia lailin disse...

Tem dias que estou assim
tendo que ser ligada
na tomada
tudo muito lento
em câmara lenta
sigo
ouvindo gritos atrás de mim
Vai
Anda
mais rápido
Olho para a cara deles e pergunto
Quem são?
De onde vieram?
onde vivem?
Para onde vão?