sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

É isso que sou: solidão



Há tamanha solidão em mim
Que eu posso vê-la no movimento
Lento do oceano

Escuto o exílio
A derrota
A traição
E esse homem
Outros olhos
Outros cabelos
Outros pés
Outros dedos
Penso na minha vida
E comparo a outras vidas
Logo mais você irá se queixar
E se lamentar em seus poemas
Sobre como eu sou
Irá dizer também
Sobre seu pouco caso
Para comigo?
Sobre sua corrida maluca para o passado?
Deito-me na areia
E depois caminho ao redor do mar
Uma hora depois
Começo a me sentir melhor
Deixo que ele
Desmanche os meus cabelos
Enquanto digo “sim”
Nossos sonhos de união
Estão ali:
“Ela levou a furadeira?” Perguntei
“Sim, levou” – Respondeu
Limpo o banheiro
Varro o chão
E às vezes faço uma comida
Um pouco mais saudável
Há – ele me disse segurando o copo
Com suco de uva
Este é o melhor de todos
O oceano espuma
 
Mlailin 




Nenhum comentário: