segunda-feira, 14 de março de 2016

O quarto de Jack




Há anos que não vejo o Oscar `
Para quem um dia foi cinéfila fanática, isso hoje soa estranho
sei que um dia eu disse: basta 
Ficar acordada na madrugada para ver quem ganha ou não ganha, não mais. E os ganhadores de Cannes, nunca mais soube
Bom, foi no trabalho em uma tarde chuvosa, bisbilhotando nos jornais a procura de uma notícia, encontro os ganhadores e fiquei lá lendo as sinopse e me interessei por essa... Somente para no final ficar depressiva... Não chorei... pois ha tempos que me tornei muito macha...
 Fiquei depressiva... o dia todo depressiva.. e no outro dia também...
Pensando no menino... preso durante cinco anos naquele quarto.... nasceu ali.... engatinhou.... teve o seu primeiro dente... falou a primeira palavra... em um lugar que tinha luz por intermédio de uma claraboia... A mãe, uma adolescente na época, foi tirada do seu lar por um desconhecido por sete anos
perdendo sua chance de namorar, noivar, casar, fazer um pré natal...

E ali criou uma criança de forma esplendida, a única coisa que podia fazer, fez, ensinou ao garoto a importância de viver com um minimo de alegria em meio aquilo que não podemos mudar.
Quando ela convence seu filho a se fazer de morto e comunica isso ao pai e o pai carrega o filho enrolado em um tapete como um animal para ser jogado em um terreno baldio...
Quando o tapete se desenrola e ele consegue ver o céu as nuvens, a sombra das arvores e respirar o ar... não mais o condicionado
Angustiante, e surpreendendo seu olhar nesse momento


é o mesmo que o nosso quando vimos o mar pela primeira vez em nossa liberdade
Não recomendo, viveremos muito bem sem esse fato triste
não precisamos de mais essa tristeza em nossa coleção de tristezas
Emoticon heart Ver o filme da Amy Winehouse? Nem morta!

Lai




Nenhum comentário: