Translate

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Lou Reed e o Sabonete



Tenho tido uns pensamentos estranhos

è como se de repente a vida estivesse de ponta cabeça

por exemplo ao olhar meu sabonete de banho no banheiro

comecei a imaginar como eu posso ficar usando dias seguidos um 

sabonete nauseabundado pelo corpo 

dias seguidos 

e se fosse uma família todos compartilhariam

do mesmo objeto em todos os poros 

um povo que se diz tão limpo ....

E pensar que acordei as 03:20 da madruga

com esses pensamentose essa vontade louca de correr e vomitar ...




E continuei pensando nisso

Nisso o que?

Os restos de sabonetes de todo mundo pelos cantos do banheiro 

Meditava profundamente no assunto enquanto esticava o corpo como uma gata 

na plataforma do metrô ao som de Lou Reed 

E dialogos profundos se faziam verdadeiras discussões sobre higiene ultrapassando países, fronteiras...

Era eu ouvindo conversas enquanto fazia as unhas em um salão de beleza

falavam sobre os europeus e o banho que era substituido por perfume

Também ouvia em algum lugar sobre os bidês, banheiras e a higiene intima de cada um

Enquanto falavam numa fofocagem sem fim

Eu tinha ganas de dizer: E vocês?

 Olhem o seu rabo. 

Aproveitem e vão lá no seu banheiro e examinem aquela imundicie de nome sabonete.

Acho que fiquei grande parte da manhã nessa briga de foice

Depois não sei onde foi que me perdi Sei que de repente já estava cuidando de outros assuntos

outras vidas

E fiquei pensando por que não pegam aquele homem que faz tempo resolveu não ter passado, 

nem presente

 que dirá futuro

e resolveu fazer da entrada do metrô Brigadeiro seu lar

Peguem-no a força

É na marra! 

Levem ele para um asilo, 

ou internam ele ali mesmo no hospital Sta Catarina. Sta Catarina?

 É para quem pode. 

Que importa

Será por pouco tempo, afinal

sua vida se acaba, questão de dias, meses. 

O que não dá 

é olhar aquele homem vivendo no respiradouro do metrô.

Lailin





2 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

Bem escrito, para terminar com um final que surpreende.
É exatamente isso, Marcia!

marcia lailin disse...

Obrigada dr Jorge