Hotel fazenda Itapuá



Não tive coragem de entrar no salão... na recepção... nos lugares que passei durante o tempo em que ai fiquei.
Não foi preciso
pelo lado de fora revi os relógios antigos e os moveis trazidos do Embu das artes pelo seu pai... ainda trago comigo a fisionomia dele... 
Andreas ...
na sala que parece ser hoje a recepção
Ele
perguntando de onde vinha e o que faria ali...
Lembro da manhã ensolarada e os beija-flores na janela... você com seus longos cabelos encaracolados sorrindo perto dela, sua mãe Cristina, tão linda, nunca cansei de olhar para ela a senhora sua mãe
... teria você na época, quantos anos? Quinze? Dezoito?
Por volta deles... embora minha mente teime em dizer:
Era uma garotinha de oito anos...
Tento lembrar do nome da família de caseiros tão achegados e leais aos patrões, o único nome que me vem a mente é Clarice...
Muitos já se foram... Ficou em minha mente a mulher que chegou pela jardineira da tarde com duas malas e desceu a estrada de terra, a mesma de agora,
quase nada mudou, tudo continua como antes,
o cheiro nativo de pinheiros, ciprestes, araucárias... a terra vermelha, a grama molhada
o alojamento dos funcionários... a capela...
e a mulher parada em frente dela


"Certo, trata-se exclusivamente de nossos corações, teve razão o poeta em falar dos “fios misteriosos” que a vida rompe. Mas é ainda mais verdadeiro que ela os tece sem parar entre as criaturas, entre os acontecimentos que entrecruzam tais fios, que os redobram a fim de reforçar a trama, de modo que entre o menor ponto do nosso passado e todos os demais, uma opulenta rede de lembranças nos dá uma variada escolha de comunicações" 

(Proust em Em busca do tempo perdido)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resumo do filme - "Bicho de sete cabeças"

skinheads