terça-feira, 20 de junho de 2017

Pedrógão Grande



Minha casa, minha casa...
Foi esse o grito daquela mulher enquanto uma outra a segurava pelos braços
Somente a vida como despojo é este o aviso que lembro sempre diante de uma calamidade pública, Esqueça o resto e salve a sua vida...


Quem conhece uma casa portuguesa sabe o significado da frase: é uma casa portuguesa com certeza, com certeza é uma casa portuguesa
Estive por várias vezes em uma casa portuguesa e nela pode-se encontrar, móveis do século passado e até mesmo do século XIX. Flores de todo tipo rodeando a casa, desde copos de leite a primaveras, rosas, ervas cheirosas como alfazemas, alecrim... árvores... maças, peras, laranja, limão... a horta com repolho, batata, feijão, cebolinha, alho, couve coração... um cachorro, um gato... um passarinho ...
A janela se abrindo e aquele vento refrescante entrando sem pedir licença batendo as portas... E no fogão o almoço e a mesa posta para a família e algum agregando como Egas... do Eça de Queiróz
 A casa portuguesa me leva a um tempo
uma vida que não existe mais... cheiro de aldeia, cheiro de infância... afasto esse vermelho e me encosto no azul de sua tarde
Lai



Nenhum comentário: